Perguntas e respostas

Tire suas dúvida abaixo
A característica mais importante de um imóvel é a localização?

Em grande parte, sim. Localização deve ser o primeiro fator a ser considerado pelo comprador. A segurança e a facilidade de acesso ao trabalho e à escola dos filhos, bem como a boa infra-estrutura de serviços do bairro, são fundamentais para a qualidade de vida e o valor do imóvel. Visite o local tanto durante o dia quanto à noite, para verificar como variam as condições de trânsito e barulho. Algumas áreas podem ser vítimas do próprio sucesso: crescem tanto que se tornam barulhentas e com trânsito infernal. Melhor sempre é comprar em bairros estabilizados.

Como saber se a taxa de condomínio é abusiva?

Não existe almoço grátis. Se o prédio estiver em condições desfavoráveis de conservação, saiba que cedo ou tarde haverá reformas e o custo delas será rateado entre os condôminos. Portanto, faça logo os ajustes no preço do apartamento, pois o valor baixo pode esconder as necessidades de reforma do prédio mais adiante. É fundamental também verificar a situação econômica do condomínio. Taxas muito altas de inadimplência indicam uma vizinhança com problemas financeiros crônicos, o que pode prejudicar o ambiente do edifício e pesar na conta do condomínio.

Como tornar a compra de apartamento na planta mais segura?

A maneira mais cômoda (e mais cara) é fazer o chamado seguro de garantia de entrega. Essa modalidade custa de 1% a 3% do imóvel e é oferecida por inúmeras seguradoras. Outra abordagem é certificar-se dos bons propósitos das empresas vendedoras. As construtoras idôneas põem à disposição dos clientes seus balanços, demonstrativos financeiros e certidões negativas de débito com a Previdência e a Receita Federal. A existência de diversos empreendimentos anteriores de sucesso é um indicador que deve ser levado em conta. Se houver ações judiciais, embargos, disputas entre herdeiros e outras limitações legais ao uso do terreno ou do imóvel, evite fazer o negócio.

Comprar imóvel pela internet é uma opção real?

Não. É uma boa ferramenta de busca e comparação, mas o comprador não deve esperar nenhuma mágica, pois a escolha e a negociação exigem paciência e podem levar meses. Não se faz isso por e-mail. Os classificados dos jornais continuam sendo uma excelente fonte, sobretudo para os lançamentos. O que a internet facilita, nas grandes capitais, é o cruzamento de dados por localização, tamanho, preço e estado de conservação do imóvel. Uma boa corretora imobiliária, com profissionais que conheçam bem o mercado ou bairros específicos, é ainda insubstituível.

Comprar um imóvel ocupado é arriscado?

Se o morador for o proprietário, não há problema, porque sempre será possível negociar a desocupação como requisito para o pagamento. Se for um locatário, o melhor é não comprar.

É normal o preço do imóvel variar durante a obra?

Não é incomum. Nas obras contratadas “por empreitada”, os reajustes são menos bruscos. Quando a compra é feita “a preço de custo”, o valor efetivo da obra será repassado automaticamente aos futuros moradores. São muitas as variáveis: entrada, prestações intermediárias, índices e periodicidade de reajustes, entrega das chaves. Por isso é bom (e não é caro) contratar um advogado para ajudar.

É preciso ser correntista do banco para pedir o financiamento?

Não, mas alguns bancos dão descontos e planos especiais para os correntistas.

Em quantas vezes posso financiar um imóvel?

Alguns bancos fazem financiamentos de até 360 meses, ou seja, 30 anos. O prazo de financiamento, porém, depende da renda de cada pessoa.

O que acontece se eu não pagar as prestações?

De acordo com o diretor da Abadi, o banco faz diversas negociações para a pessoa pagar o financiamento. Uma vez que a dívida não é paga, o banco pode mandar seu nome para cadastros de devedores, como a Serasa. Caso não haja uma saída negociada, o imóvel vai para leilão. Fonte: Veja Online

O que são as plantas flexíveis?

Muitas construtoras passaram a oferecer essa alternativa. São, em geral, apartamentos com disposição variável de dormitórios, suítes, salas ou escritório, dentro do mesmo espaço total. O cliente pode desenhar o apartamento a seu gosto. A desvantagem é que o preço do imóvel pode subir conforme as modificações. Além disso, na hora de vender, as alterações poderão ter pouca ou nenhuma valorização no mercado.

Os lofts estão muito na moda. Eles são mais caros por isso?

Com pé-direito alto e grandes ambientes sem paredes, os lofts viraram uma opção de estilo de vida moderno. Sua origem está nos distritos de artistas de Nova York. No Brasil, adaptou-se esse conceito para prédios novos, tendo como principal atrativo a possibilidade de o morador dividir e preencher o espaço como quiser. Eles constituem uma boa opção para solteiros ou jovens casais, por serem erguidos em regiões com estrutura de serviços satisfatória, como lavanderias, restaurantes e supermercados. Se o casal não pretende ter filhos a curto prazo, o loft é uma alternativa interessante.

Os riscos de comprar imóvel na planta são hoje maiores ou menores que no passado?

Desde a quebra monumental da Encol, há quatro anos, o próprio mercado passou a se policiar melhor, mas ainda há uma dose de risco nas compras para entrega futura de apartamentos. Não existe aquisição 100% segura nessa modalidade. O conselho mais valioso é comprar de empresas com reputação de seriedade e solidez e livres de reclamações nos Procons. Os problemas mais comuns que acompanham a compra de apartamentos na planta são: atraso na entrega, alteração da metragem dos cômodos, embargo da obra por irregularidades na prefeitura, reajustes não previstos em contrato e padrão de qualidade abaixo do esperado ou anunciado. Sem falar, é claro, do risco de cair na mão de vigaristas que somem com o dinheiro dos clientes.

Preciso estar em um emprego formal para conseguir crédito?

Não. Existem outras formas de comprovar renda. Quem não tem registro em carteira precisa apresentar os seis últimos extratos bancários. Já quem é registrado precisa entregar o holerite dizendo qual é sua renda mensal. É preciso estar registrado há pelo menos três meses.

Quais documentos é preciso apresentar para conseguir o financiamento?

Extrato bancário, CPF, Imposto de Renda e Carteira de Identidade (e, no caso de um usado, CPF dos proprietários do imóvel, cópia do espelho do IPTU, declaração de quitação do condomínio e registro do imóvel).

Quais são as desvantagens evidentes na compra de um loft?

Quais são as desvantagens evidentes na compra de um loft? Não espere pagar menos por ele por causa da aparente falta de requinte. Nem espere vendê-lo por preço acima do de mercado apenas porque está na moda.

Quais são as exigências para eu conseguir crédito em um banco?

Há uma série de detalhes que variam de banco para banco, mas a regra mais importante costuma ser a seguinte: o valor da prestação não pode ser maior que 30% da sua renda mensal líquida.

Quais são os passos necessários para fazer um financiamento de imóvel?

As primeiras coisas a serem feitas são: encontrar um banco, verificar as taxas cobradas em cada um (procedimento que pode ser realizado nos sites dos próprios bancos) e simular um financiamento. O próximo passo é ir ao banco munido dos documentos necessários para obter o crédito pré-aprovado. Após a visita ao banco, já é possível saber o quanto será concedido de crédito. Encontrado o imóvel, você deve voltar ao banco com os documentos para dar entrada no pedido de financiamento.

Qual é a diferença entre financiar um imóvel novo e um usado?

A maioria dos bancos financia entre 60% e 80% do valor dos imóveis usados. Já com imóveis novos, o financiamento pode chegar aos 100%.

Quando é melhor comprar um imóvel usado?

Há regiões em que a oferta de novas unidades é limitada. Além disso, os imóveis usados costumam ser mais baratos, obviamente, e permitem uma reforma personalizada. Há sempre o risco de existir alguma pendência anterior que impeça a transferência do bem para o comprador. O ideal é ter um advogado ou uma corretora para garantir a segurança do negócio.

Quanto tempo demora para sair o meu crédito?

Em alguns bancos o crédito sai em até quinze dias. Demora mais para encontrar o imóvel e levantar a documentação para entregar ao banco do que conseguir o financiamento.

Que cuidados tomar na hora da assinatura do contrato?

Os contratos devem ser assinados na presença de testemunhas qualificadas e do vendedor. Guarde uma via original e verifique se todas as assinaturas têm firma reconhecida.

Quem deve pagar a taxa de corretagem?

Em geral a taxa de 6% é paga por quem vende o imóvel. Mas isso pode virar moeda de troca na hora da negociação. Há a possibilidade de o proprietário, por exemplo, aceitar uma oferta menor de preço e propor que a corretagem seja paga pelo comprador.

Quem vai comprar um imóvel deve dispor de quanto para a entrada?

No caso da maioria dos imóveis na planta, os valores giram em torno de 20%. Quanto aos financiamentos bancários, esse valor é de no mínimo 50% do total. A linha de crédito do Sistema Financeiro da Habitação estabelece o seguinte critério: para o valor do imóvel entre o mínimo de 40 000 reais e o máximo de 300 000 reais, o valor de financiamento entre o mínimo de 20 000 reais e o máximo de 150 000 reais.

Só a Caixa Econômica Federal financia imóvel?

Não. “As pessoas tem o hábito de pensar que tem que ser com a Caixa, mas isso não é verdade”, disse Rogério Quintanilha, diretor da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi), em entrevista a VEJA.com.

ENTRE EM CONTATO

(65) 3028-1081

LOCALIZAÇÃO:

Avenida Isaac Povoas, 1331 - Centro - Cuiabá/MT